O Cantinho de Tatyana Casarino. Aqui você encontrará Textos diversos e Poesias simples com a medida do coração.









Contador Grátis





sexta-feira, 24 de março de 2017

Prosa Poética: A princesa e o plebeu


                                            

            

             Olá, pessoal! Hoje eu venho trazer um texto que escrevi em meados de 2011. Muito embora o texto esteja escrito em prosa, eu considero as linhas que escrevi sobre o Amor bastante poéticas, motivo pelo qual chamo a postagem de hoje de Prosa Poética. Não compartilharei a história completa, mas apenas o trecho onde o plebeu tem pensamentos poéticos a respeito do Amor. Está história de amor foi escrita à mão inicialmente em um fichário hehehe. Confiram! Boa leitura!


                                 


A Princesa e o Plebeu


Essa história de amor se passa em tempos medievais, onde castelos luxuosos e catedrais góticas permeavam os reinos ocultos por trás de grandes muralhas.
Contar-se-á a lenda de um pequeno e desconhecido reino, o qual continha uma bela princesa cujo coração era um difícil enigma a ser decifrado. Os nobres mais eruditos e de riquezas esplêndidas tentaram decifrá-la, mas falharam.
 Apenas um homem em todo o reino conseguiu descobrir os enigmas do coração dela. Esse homem não era rico, não era erudito nem tampouco nobre. Ele era um pobre plebeu analfabeto que almejava um dia saber ler e escrever para poder expressar as suas idéias geniais e os pensamentos poéticos que lhe perturbavam. Sua erudição não podia ser adquirida por algum livro, sua riqueza de espírito não podia ser comprada, seu coração era nobre naturalmente sem necessitar de título algum. O nome do nobre plebeu era Lucius.
Lucius ensinou que a beleza é transitória, o luxo é ilusório, a riqueza é limitada e a erudição é adquirida. Ele também demonstrou que o mais soberano dos reis é tão humilde quanto um plebeu e se chama amor.
O amor é maior que a beleza por ser eterno, é maior que o luxo por ser real, é maior que a riqueza por ser ilimitado e é maior que a erudição por ser espontâneo. O amor é erudito por natureza, é simplesmente luxuoso, é humildemente rico e é eternamente belo.
O amor é a maior realidade capaz de nos tirar da realidade e nos transportar para um mundo mais poético e mágico. Mas, o que é a magia senão a personificação mais legítima de uma realidade oculta?
Todos os conceitos para o amor são confusos e paradoxais, pois, para explicar o inexplicável, a linguagem tem de ser simbólica. Em suma: amor não se entende, amor se sente. Não se preocupe em entender o amor, pois ele é complexo demais. Preocupe-se em senti-lo com toda a intensidade.
Lucius é um personagem especial pelo simples fato de sentir o amor, mesmo sem entendê-lo. O coração quando sente, simplesmente compreende.
Lucius, um poeta analfabeto, possuía pensamentos poéticos a todo instante, mas não sabia como transferi-los em palavras escritas devido às suas limitações. Parece impossível adquirir vocabulário sem leitura, porém Lucius sabia a respeito de palavras polidas sem nem sequer saber ler. O vasto vocabulário dele se devia a um poeta louco que lhe contava histórias e recitava-lhe poesias. Lucius foi um grande gênio, pois adquiriu vocabulário apenas por ouvir as palavras proferidas de um poeta insensato.
Todas aquelas palavras poéticas, que ele escutou quando criança ao visitar seu louco amigo, foram guardadas com imenso carinho em sua memória, visto que ele sentia grande emoção quando as escutava. Ele não sabia, mas, quanto mais se emocionava ao escutá-las, mais conhecimento ele adquiria. 
Certa vez, ao avistar a bela princesa percorrendo a aldeia, uma torrente de pensamentos com viés poético e romântico invadiu sua mente magicamente. As palavras desabrochavam como flores e ele, mesmo analfabeto e sem poder escrevê-las, sentia a poesia dentro de sua alma.
Um analfabeto formar poesias em sua mente parece um milagre, pois a poesia é a arte da linguagem. Mas, o amor é capaz de fazer milagres e superar tudo aquilo que é essencialmente racional. Ratifica-se que o amor é simplesmente luxuoso, é erudito por natureza.
E, quando Lucius avistou aquela princesa tão doce a caminhar pela aldeia, seu coração fez brotar os mais puros pensamentos poéticos como os que estão dispostos a seguir:
“ É essa a luz que eu vejo, ela brilha no horizonte mais do que o sol. Dilacerou, dilacerou meu coração naquele instante. Minha alma mergulhou no mar de mel do teu olhar. Aquelas vestes não são como as minhas. Reluzem como ouro ao pôr-do-sol. Aqueles gestos tão delicados personificam a essência sagrada de sua realeza. Não sei qual é o seu título, mas nada disso importa. No reino do amor, ela é a minha rainha, e eu sou seu eterno escravo.
O amor me faz rei, me faz escravo. Liberta-me da angústia desalmada e indiferente e me acorrenta no deserto dos amantes, propiciando-me o mais doce desespero− o de sentir sede de amar.
Oh! Deuses do amor, libertam-me. Eu só quero beber da água do oásis do amor. Será o amor um doce oásis perdido no deserto dessa vida cruenta? Seriam os amantes todos loucos por desejar dessa miragem inalcançável como tu, amor?
Oh! Amor, eu não agüento mais esse sol queimando minha alma e transpirando meu espírito. Diga-me se é possível beber da tua água, senão eu me atirarei por essas pedras e me enterrarei vivo sob essa areia pesada e cruenta que me prende à terra e me lembra que não sou livre.
Se eu fosse livre... Ah! Se eu fosse livre, o amor me daria asas de beija-flor, e eu sairia a voar por esse deserto até o oásis feito de águas doces e beberia o néctar das flores dentro d’água.
Não obstante, eu continuo acorrentado, preso ao destino cruel de ser o único louco a enxergar esse oásis de possibilidades doces e ocultas intrínseco a esse deserto quente e cruel que queima só a pele de minha alma. Os outros não vêem o oásis e, por isso, não se queimam no deserto. Eles são como rochas duras e frias, as quais morrem um pouco a cada dia na mediocridade insensata da cegueira fria.
Os outros não sabem a doce loucura do amor intenso. É como se eu tivesse mergulhado nesse oásis imaginário, embriagado de paixão. Oh! Afrodite, descosturai os olhos de minha amada para que ela possa ver o meu oásis. Mas, não permita que sua pele frágil se queime nas labaredas desse fogo cruento e desértico!
Diga a ela, por meio do vento, que o oásis existe e que há um homem pronto para mergulhar nas camadas mais profundas do amar.  Eu não tenho castelos, mas eu os construirei com a força de minha alma. Eu não tenho títulos, mas o amor me fará rei em plena escravidão de liberdade. O amor é assim: confuso e paradoxal. Prefiro morrer afogado nessa sensibilidade insana à morrer congelado como as rochas duras e medíocres.
Se ela não enxergar o meu oásis, meu fim será morrer queimado nas labaredas da realidade triste. Oh! Mundo, por que tu não deixaste os oásis visíveis? Por que os profetas, os loucos e os poetas sofrem por ver essa luz refletida n’água?
Eu sou a personificação dela, e ela é a minha personificação. Assim como a água do oásis propicia o amor, e o sol desértico me dilacera, eu lutarei pelos lábios de mel dela! Às vezes, não sou eu quem fala, é o amor quem usa minha boca e me dá uma inteligência insana que me faz sofrer de paixão.’’



1.    A história de Lucius

Lucius, um trabalhador rural, mora em uma cabana solitária, rústica e misteriosa, a qual se torna invisível quando imersa na neblina. Seus pais foram mortos em uma batalha entre reinos e, quando criança, ficou órfão muito cedo. Foi criado por um ferreiro, seu tio, o qual o obrigava a efetuar trabalhos braçais pesados.
Num reino retrógrado, onde o conhecimento era restrito ao clero e à nobreza, Lucius, um pobre plebeu, almejava estudar. Pensou em se enclausurar em algum mosteiro para obter conhecimento, mas seu tio o obrigava a trabalhar com ele. Além disso, seu tio não compreendia o desejo do menino em estudar.
Quando criança, Lucius sempre visitava uma pequena biblioteca da aldeia, na qual morava clandestinamente, em seu sótão, um poeta cuja saúde mental não era das melhores. Esse poeta recitava cânticos, poemas, lia estórias, ensinava palavras novas e lecionava oralmente a respeito de história e mitologia grega para o menino Lucius, o qual era seu único amigo. Infelizmente, o querido poeta louco faleceu antes de ensinar Lucius a ler e a escrever.
Quando Lucius já era um adolescente, seu tio faleceu devido a uma forte pneumonia, deixando-o sozinho numa pequena casa no centro da aldeia. Lá, ele vivia cercado de perigos. Certo dia, alguns homens invadiram sua casa, saquearam algumas de suas moedas e lhe furtaram objetos e espadas que haviam sido feitas por seu tio, o ferreito.
Neste dia, Lucius se revoltou contra as maldades do mundo. Afinal, nunca alguém o amou. Seus pais morreram muito cedo, seu tio era um homem bruto e isento de sentimentos e os homens da aldeia nem se importavam com ele – alguns até o assaltaram. O único homem que lhe demonstrou um pouco de carinho e apreço por ele fora o misterioso poeta louco.
As belas palavras do vasto vocabulário daquele homem tão sábio e tão louco ficaram gravadas para sempre na memória de Lucius. Ele pode ser um pobre homem, mas com a alma rica e pura. Além disso, sua única herança era o conhecimento que adquirira com aquele “sábio louco”.
Revoltado com o mundo, Lucius fugiu para uma clareira – bem distante da aldeia – onde cultiva belas flores, as quais têm um viés mágico e inexplicável. No meio rural, também planta trigo para sua subsistência.
Lucius conhece um pequeno comerciante na aldeia provinciana e fornece as flores que cultiva para ele. Em troca, como um escambo, o comerciante lhe fornece alimentos. Raramente, Lucius recebe moeda.

As flores que ele fornece ao pequeno comerciante são famosas. Até a realeza manda os criados buscar essas flores para enfeitar o castelo, principalmente em ocasiões festivas. 


Texto de Tatyana Alcantara Fernandes Casarino

2 comentários:

  1. Adorei essa parte:
    >> Todos os conceitos para o amor são confusos e paradoxais, pois, para explicar o inexplicável, a linguagem tem de ser simbólica. Em suma: amor não se entende, amor se sente. Não se preocupe em entender o amor, pois ele é complexo demais. Preocupe-se em senti-lo com toda a intensidade. <<
    Lucius, um poeta analfabeto...que agonia deveria ter ideias e não conseguir registr´-las, quantas ideias lindas não ficaram perdidas...que personagem puro e de coração nobre que criou amiga!

    Lindoo >> Eu não tenho castelos, mas eu os construirei com a força de minha alma. Eu não tenho títulos, mas o amor me fará rei em plena escravidão de liberdade. O amor é assim: confuso e paradoxal. Prefiro morrer afogado nessa sensibilidade insana à morrer congelado como as rochas duras e medíocres. <<

    Gostei tanto de saber sobre a história de Lucius no final que quando acabou fiquei querendo saber mais, hehehehehe.

    Incrível amiga, precisa colocar a continuação...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amei o seu comentário! Até me emocionei em saber que você gostou tanto da história! Você acredita que eu parei de escrever esta história? Esta seria mais uma história antiga que ficou "engavetada" (todo escritor tem histórias assim... hehehe). Seu comentário me incentivou a continuar a escrever o romance... Bjos.

      Excluir