O Cantinho de Tatyana Casarino. Aqui você encontrará Textos diversos e Poesias simples com a medida do coração.









Contador Grátis





quarta-feira, 15 de março de 2017

Analisando Esplendor


                                      


      Olá, pessoal. Hoje eu venho analisar a telenovela Esplendor, produzida e exibida pela Rede Globo no horário das 18 horas, entre 31 de Janeiro e 23 de Junho de 2000. Sabe-se que a telenovela foi escrita pela autora Ana Maria Moretzsohn, recebendo a colaboração de Glória Barreto, Daisy Chaves e Izabel de Oliveira. Como diretores, destacam-se Luciano Sabino, Ary Coslov e Maurício Farias. Wolf Maya, por sua vez, era responsável pela direção geral e do núcleo.
      Trata-se basicamente da história de amor entre Flávia Cristina (Letícia Spiller), a doce governanta de Vivenda do Sombrio, e Frederico Berger (Floriano Peixoto), o pai de família taciturno. O drama da novela reside nos segredos do passado guardados por ambos os personagens. 

                        

Flávia Cristina


Flávia Regina


      Flávia Cristina (Letícia Spiller) esconde sua verdadeira identidade, já que ela trocou de lugar com a moça que seria a verdadeira governanta de Vivenda do Sombrio, Flávia Regina (Christine Fernandes), após um acidente de ônibus. Com nomes parecidos e aparências físicas semelhantes, não foi difícil assumir a função de governanta no lugar de sua sósia, a qual ficou em coma depois do acidente. Além do mais, o motivo pelo qual Flávia Cristina estava no mesmo ônibus que Flávia Regina era nebuloso... 
      Em verdade, Flávia Cristina estava fugindo do Rio de Janeiro para o Sul do Brasil, pois estava receosa de ser descoberta pela polícia após ferir um homem (ela o atingiu na cabeça com uma estatueta). Ela pensava que havia matado o homem, mas ele sobreviveu após a briga. Sabe-se que Flávia Cristina havia agredido este homem (um agiota) para defender o irmão que era perseguido por ele. Além disso, almejava defender a si mesma já que foi agarrada pelo agiota momentos antes de atirar uma estatueta contra a cabeça dele...

                             

                                  

Bruno Sampaio 

          

           Ocorre que o seu irmão, Bruno Sampaio (Caio Blat), era um tremendo mau-caráter que se aproveitava do amor da irmã para explorá-la em prol de seus vis interesses. Quando Bruno vai ao apartamento do agiota e vê o homem ferido, resolve matar o bandido e roubar todo o dinheiro que encontra. Após matar o agiota, ele convence a irmã de que ela deve fugir para evitar ser presa pela polícia. Além do mais, em sua bagagem, Bruno escondeu a mala com o dinheiro roubado. 

                                      

Flávia Cristina

         
             Na rodoviária, Flávia encontra uma moça chamada Flávia Regina, a qual é amável e simpática com ela. Flávia Regina está indo trabalhar como governanta na Vivenda do Sombrio, localizada na cidade de Esplendor. As duas viajam no mesmo ônibus, mas são surpreendidas por um acidente na estrada. Quando Flávia Regina é internada em estado grave, Flávia Cristina é confundida com ela e levada para a mansão dos Berger. Sendo assim, ela assume a função de governanta e a identidade da amiga. Mas ela não sabia o que o destino preparava para ela no Sul do Brasil...

                                          

Frederico Berger

               

           No Sul do Brasil, em uma cidade fictícia chamada Esplendor, vive o industrial milionário Frederico Berger (Floriano Peixoto), um homem constantemente assombrado pelas lembranças de uma tragédia envolvendo a morte de sua esposa Elisa (Ângela Figueiredo). Há muitos anos, quando discutia de modo áspero com a sua mulher dentro de um pequeno avião pilotado por ele, ele acaba perdendo o controlo da aeronave. Logo, os dois se chocaram contra o precipício que fica em sua propriedade. Elisa morre imediatamente, mas Frederico escapa com vida do desastre.  

                        

Frederico, Gui, Elisa, Fred e Érica


           Todavia, ele ganhou uma cicatriz no rosto e pesadelos que o atormentam todas as noites. A morte da mulher o tornou um homem autoritário e taciturno, o qual não admite oposição ou falhas alheias. A sua tristeza e o seu mau humor acabam contagiando os seus familiares, tornando Frederico uma figura intimidadora para todos os que trabalham ou vivem em sua mansão. 

                                

Flávia, Gui e Frederico

             

               Em "Vivenda do Sombrio" (apelido dado pelos moradores de Esplendor ao casarão em estilo vitoriano de Frederico), Frederico mora com seus três filhos: Érica (Thaís Fersoza), Fred (Max Fercondini) e Gui (Thiago de Los Reyes). Érica, a filha mais velha, é uma jovem ingênua e doce que tenta sempre agradar e adocicar a vida do pai sem obter êxito. Fred, o filho do meio, tem uma personalidade bem rebelde. Ressentido pelo distanciamento de Frederico, ele culpa o pai pela tristeza da casa. Gui, o filho mais novo, é um garoto arredio e melancólico que não pronuncia uma palavra desde a morte da mãe. Acontece que todos os médicos afirmam que o garoto é saudável dentro da Fonoaudiologia... 
               Desse modo, há todo um mistério sobre o garoto sonhador, avoado e "mudo", que sofre de problemas psicológicos (e espirituais também como veremos mais tarde). Gui é um personagem que chama muito a atenção do telespectador e que ganha um destaque imenso ao longo da trama devido à curiosidade das pessoas acerca de seu comportamento diferenciado (ele gostava de se trancar no sótão e fazer desenhos estranhos, alguns envolvendo a mãe). Toda boa mansão sombria deve ter um sótão com aparência gótica, não é mesmo, minha gente?

                                 

               

                  Recordo de assistir esta novela nos anos 2000, aos 07 para 08 anos de idade (Nasci em Julho de 1992). Minha mãe, fã desta telenovela, me buscava rapidamente na escola (eu estudava no período da tarde nesta época), já que minhas aulas terminavam 17:30 para assistir ao Esplendor 18:00 (hehehe). Recordo também que as pessoas que acompanhavam esta telenovela torciam para o Gui falar. Nas reuniões entre mulheres e revistas de telenovelas da época, o mistério de Gui era o mais comentado. Todo capítulo era aguardado para verificar quando o menino teria "revelações espirituais" ou a cura para a sua mudez. De certa forma, eu me identificava com a sensibilidade do garoto incompreendido, e seu temperamento melancólico e diferenciado inspirou os meus primeiros personagens... Um segredo revelado hoje hehehe, mas o Gui não desenhava nem via fadas como meus personagens hehehe. ;) Eu revelando as minhas inspirações em telenovelas... Quem nunca se inspirou um pouco?

                                            

Adelaide


                 Adelaide (Cassia Kiss), a irmã mais velha de Frederico, costumava cuidar das crianças. No passado, Adelaide teve uma história de amor com Hugo Norman (Gracindo Jr), médico da família. Entretanto, ele se casou com Olga (Joana Fomm), uma mulher agressiva e rancorosa que vive presa a uma cadeira de rodas desde o nascimento da filha Marisa (Adriana Garambone). Apesar de continuar amando Adelaide, Hugo sente-se responsável pela mulher. 

                                  

Frederico e Cristovão 

                   

                    Bondosa e solidária, Adelaide costumava viver exclusivamente para ajudar o irmão. Contudo, uma doença rara no coração obriga Adelaide a abandonar seus afazeres em razão de recomendações médicas. Então, Cristovão Rocha (Murilo Benício), advogado e "braço-direito" de Frederico, resolve contratar uma governanta para cuidar da casa. Desde que seus pais morreram em um acidente na Fábrica dos Berger quando Cristovão era criança, ele foi criado como irmão de Frederico. Pelos sobrinhos de consideração, ele é adorado, já que se apresenta como um homem simpático e bem-humorado. Porém, na realidade, ele é movido pela inveja e por um enorme desejo de vingança. 

                                      

Cristovão, Flávia e Frederico

                  

                           Flávia, a nova governanta, conquista todos do casarão, inclusive Frederico, tendo em vista que a presença dela ilumina o lugar. O taciturno pai de família vê uma oportunidade de voltar a ser feliz. Flávia se apaixona por ele e deseja contar a verdade assim que Flávia Regina se recupera do coma, porém fica com medo de perdê-lo. Ela também passa a lidar com as inconvenientes investida de Cristovão, o qual fica obcecado por ela assim que percebe o quanto ela faz Frederico feliz (Cristovão adorava competir com Frederico além de ser mau-caráter). 

                                                    

Bruno e Érica (ela fica apaixonada por ele por um tempo, mas depois descobre que ele não merece o seu amor).

                             

                              Quando o irmão de Flávia chega em Esplendor, o segredo dela passar a correr perigo. Com o intuito de recuperar o dinheiro que a irmã levou por engano, ele se aproxima da família Berger ao seduzir Érica. Flávia somente descobrir a má índole do irmão quando ele ameaça denunciá-la por falsa identidade à polícia. Sabe-se que Bruno recebe seu castigo no final da novela: Ele é preso pela morte do agiota e passa os dias na cadeia arrependido por não ter valorizado o amor da irmã. 

                                          

                              

                                 Quando a verdadeira identidade de Flávia é revelada, ela passa a ser rejeitada por todos. Sua superação apenas viria mais tarde ao tornar-se a mais bem-sucedida desenhista da fábrica de móveis de Frederico. Todavia, a reconciliação do casal somente acontece no fim da trama quando um segredo do passado trágico do milionário é revelado. 
                      Descobre-se que Elisa, a primeira mulher de Frederico, havia sido amante de Cristovão. Na noite em que Frederico e a mulher sofreram o acidente, Cristovão e Elisa planejam fugir com parte dos bens de Frederico. Para aumentar a infelicidade de Frederico, Cristovão contratou Flávia Regina para ser governanta da casa, mas teve os seus planos frustrados pelo destino quando Flávia Cristina veio trabalhar no lugar dela. Ao saber da verdade sobre a primeira esposa, Frederico acaba por se livrar da culpa que sentia por ter sido áspero com ela em uma discussão no dia do acidente. Livrando-se dos tormentos do passado, Frederico resolve ser feliz ao lado de Flávia. 

                                                

                                

                                  No último capítulo da telenovela, Cristovão, já desmascarado, tenta fugir com a mala cheia de dinheiro roubada por Bruno, levando Flávia e Gui como reféns dentro do carro. Gui, no entanto, consegue fugir assim que Flávia atinge a cabeça de Cristovão com a mala (essa Flávia adora atingir a cabeça dos outros com objetos, já repararam?) e abre a porta do carro para libertar o garoto. Flávia é levada até um local perto de um penhasco. Gui encontra o pai no meio da estrada e consegue falar (finalmente!). Ele avisa o pai sobre o perigo que a Flávia está correndo com Cristovão.  

                           



                                Sendo assim, Frederico os alcança perto do penhasco e o desarma. Enquanto Frederico e Cristovão lutam, Flávia escorrega e fica pendurada no rochedo. A mala com o dinheiro cai no precipício e, quando Cristovão tenta apanhar a mala, ele cai no precipício e morre. Frederico salva Flávia, e os dois se casam e têm filhos. 
                                
                  
Pontos Positivos:

1) Diálogos Requintados

                    


     
      Pensa em uma telenovela que respeita a norma culta da língua portuguesa... Pensou? Sem dúvidas, Esplendor foi a melhor telenovela no âmbito dos Diálogos. Tratando-se de uma novela ambientada em 1958 (amo telenovelas de época), é lógico que não haveria gírias, abreviações de expressões da línguas portuguesa ou qualquer "linguajar moderninho". Mas não é somente pelo fato de ela ser uma novela de época que os diálogos são lindos... Quem escreveu os diálogos realmente caprichou! 
     Dá a impressão que você está "assistindo a um livro" hehehe (uma sensação mágica) e não vendo uma telenovela. Os diálogos são muito semelhantes aos diálogos literários de modo geral. Os diálogos entre os personagens são extremante charmosos e polidos. É uma novela de alto padrão devido aos diálogos, e nós percebemos a qualidade de uma novela na forma com a qual os personagens se comunicam. Isto pode servir como uma crítica às telenovelas de hoje em dia, as quais possuem um linguajar cada vez mais "chucro" infelizmente. 
     Além do mais, a linguagem utilizada na telenovela é equilibrada: culta sem ser enfadonha. Claro que ninguém fala de maneira culta na vida real daquele jeito charmoso de Frederico e Flávia (infelizmente hehehe), mas é um prazer reparar na construção dos diálogos. As vozes dos personagens são bonitas e os atores conseguem equilibrar o ritmo das palavras, pausando nas horas certas. Frederico tem uma voz aveludada, sexy e bem masculina e Flávia exala uma voz doce na medida certa. Todos os personagens são expressivos e comunicativos... Até mesmo Gui, o personagem mudo, é tão expressivo em seu olhar que não necessita de palavras. 


   2) Romantismo no estilo "A Bela e a Fera" 

                           



                  Esta é uma das telenovelas mais poéticas que eu já assisti. O romantismo de Flávia e Frederico é lindo, doce e tocante. As cenas de amor entre os personagens são charmosas e de extremo bom gosto... Não há vulgaridade, mas muita classe. Eu, particularmente, amo as cenas onde há vinho. Em um dos capítulos onde eles dormem juntos, eles passam a madrugada tomando vinho. Eu não tomo vinho, mas amo colocar o símbolo do vinho nas minhas poesias românticas e sensuais. Gosto de me inspirar em Flávia e Frederico também. 
                   Além do mais, gosto da fórmula do romance do casal: a moça doce e o homem sombrio. Esta é a típica fórmula da "Bela e a Fera", do "O Fantasma da Ópera" e de tantas outras histórias de sucesso que eu amo... O próprio site da Globo, em "Memória Globo", afirma que Esplendor "narrava a história de um homem solitário que redescobre o amor, tendo como inspiração romances góticos e a clássica história de A Bela e a Fera." 
               Quando o site citou "romances góticos" como fonte de inspiração, sabem qual o romance que passou na minha cabeça? O Morro dos Ventos Uivantes. Há algo de Heathcliff tanto em Frederico quanto em Cristovão. Frederico é atormentado com pesadelos onde vê a primeira mulher no dia do acidente com suas vestes brancas... Isto me lembra muito o Heathcliff vendo Cathy de vestido branco em sua janela... 
                 Além disso, Gui vê o espírito da mãe vagando pelo casarão como se fosse Cathy vagando nos morros. Até os ambientes são parecidos: a taciturna casa em Yorkshire, Inglaterra, de Morro dos Ventos Uivantes é semelhante à Vivenda do Sombrio em Esplendor, cidade fictícia de Rio Grande do Sul, Brasil. E todo mundo sabe que o Sul do Brasil é a "Europa" brasileira. O clima nublado e a atmosfera tensa e sombria estão presentes em ambas as histórias. Cristovão, o vilão, também tem algo Heathcliff pelo fato de ter sido um "irmão ilegítimo" e clamar por vingança...
                   Quanto ao fato da moça alegre que ensina um homem triste a amar e a ser feliz, imediatamente surge uma referência: A Bela e a Fera! Um dos capítulos mais bonitos é quando ela abre as cortinas da janela da biblioteca, e ele diz: "Não gosto que abram as cortinas". Em seguida, ela ensina Frederico a gostar da luz... O casarão de Frederico, no estilo vitoriano, é muito parecido com o Castelo da Fera. Mas as referências não param por aqui... Vejo um pouco de "Fantasma da Ópera" na cicatriz estampada no rosto de Frederico e no seu jeito temperamental. 
                       Não é somente o Frederico que abrange muitos personagens dentro de si (Fera, Heathcliff, Fantasma da Ópera...), Flávia ostenta Bela, Christine e a Noviça Rebelde! A Noviça Rebelde também modifica radicalmente a vida da família von Trapp como governanta ao trazer alegria às crianças. A atriz Letícia Spiller, que interpretou a Flávia, estava muito parecida com a atriz de Noviça Rebelde, Julie Andrews, durante a telenovela, incluindo o mesmo tipo de cabelo.  Dá para fazer inúmeras analogias desta telenovela com fontes da literatura e do cinema. Estão vendo como telenovela também é cultura?

    3) Reflexões espirituais 

                            


                     
                É interessante o fato desta novela não ser muito citada quando falamos a respeito de telenovelas espíritas. Talvez ela não seja tão lembrada como telenovela espírita devido ao fato de que ela tocou em temas espíritas de forma muito sutil... Mas os conceitos espirituais estão lá: Reencarnação, espíritos, a luta do bem contra o mal... Em inúmeros diálogos, os personagens afirmam: "Parece que te conheço há muito tempo..." Além disso, foi muito comentada na época a possibilidade do Gui ter mediunidade. 
                  Em um capítulo, quando Adelaide está no hospital, é possível ver o seu espírito se comunicando com a amiga que cuidava dela enquanto o corpo físico dela dormia. Em vários diálogos, é comentada a possibilidade dos personagens serem conhecidos de outras vidas...


              4) Trama bem consolidada

                                


                O enredo é muito bem feito, e não há "furos" ou "impasses" durante a telenovela. Podemos afirmar que a trama é bem "fechada" e cumpre o seu papel. Há mistérios sendo revelados aos poucos, e a história é construída de forma inteligente e criativa. Uma das melhores histórias de telenovela que eu já vi em toda a minha vida!


Ponto Negativo:

1) Não fez tanto sucesso quanto merecia

                  



        Muito embora esta telenovela tenha sido vendida para diversos países, ela não é uma novela muito lembrada no meio artístico. É como se a Rede Globo tivesse se esquecido dela... Inúmeras pessoas mandam cartas e e-mails pedindo para que ela passe em "Vale a Pena Ver de Novo", mas a Globo parece ignorar todos os pedidos... Ela não foi considerada um novela de "sucesso" e acabou sendo "ofuscada" pela telenovela "O Cravo e a Rosa" que substituiu a trama em 26 de junho de 2000. Adoro Cravo e a Rosa, mas também tenho um lugar especial em meu coração para Esplendor
            Ela teve média de 28 pontos na audiência, uma média razoável para o horário que exigia 30. Durante a telenovela, sua audiência oscilava de 20 (pior número) a 38 (melhor número) pontos. Apesar de sua audiência não ser muito chamativa, esta novela conquistou fãs que lembram dela até hoje (como eu). Não são raros os internautas que assistem à telenovela pelo YouTube e que falam a respeito dela com carinho. A audiência pode não ter sido expressiva em termos numéricos, mas quem é fã da novela gosta intensamente. A qualidade dos fãs é incrível... E eles continuam a brotar na internet e no Youtube!


Texto escrito por Tatyana Casarino

Confira também a minha análise de Hilda Furacão:

http://tatycasarino.blogspot.com.br/2017/03/analisando-hilda-furacao.html
                  
             

2 comentários:

  1. A linguagem usada, a mais formal, conquista realmente. Outro ponto que adoro é o romantismo não vulgar, infelizmente hoje em dia se confunde muito esses dois tópicos. Sobre a trama ter sido feita sem furos, mistérios contados no tempo certo, sem correrias é algo raro hoje em dia em que a história de toda novela é baseada no ibope diário. Adorei sua interpretação muito bem elaborada e detalhada. Bjuuu

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nós duas valorizamos a boa linguagem e o romantismo não vulgar. Ainda bem que há muitos como nós ainda. Infelizmente, a maioria das telenovelas hoje em dia se perdeu. Fico feliz que tenha gostado da minha análise. Beijos.

      Excluir