O Cantinho de Tatyana Casarino. Aqui você encontrará Textos diversos e Poesias simples com a medida do coração.









Contador Grátis





domingo, 12 de julho de 2015

O Resgate da Lua




Dentro do labirinto,
ouço a voz doce e suave
de minha inefável lua.

Sua voz canta como um rouxinol,
e eu ando em direção ao som,
ao som que vem de minha amada.

Doce amada presa no labirinto,
sequestrada por Valvânios* malditos,
ouça o meu apelo e viva por mim.

Como brilharei durante a noite
sem a tua plácida face a refletir-me?
Como a luz vencerá as trevas
sem a tua doçura noturna e terna?

Sem o teu espelho, eu nada serei,
minha deusa lunar, minha luz,
doce rainha que cobre a Terra
com gotas de melancolia e poesia.

Viva por mim, ouça o meu apelo,
reflita a tua cândida imagem
que escorre por entre os meus dedos.

Sobreviva diante da luta,
faça ecoar a tua voz por onde há luz.
Nesse labirinto cujo ego é cego,
tu és o eco da alma a animar-me.

Sou o Sol a resgatar a Lua,
libertar-te-ei da escuridão da noite,
que os meus raios se deitem
a fim de refletir a luz dourada
em tua pálida morada.

Os raios de fogo dourado,
que o Grande Arquiteto me concedeu,
agora são teus, doce lua amada
cuja luz ecoa em minh'alma.

Poesia de Tatyana Casarino

*Valvânios:  Modo pelo qual os seres do mal são chamados em uma história escrita por Tatyana Casarino.

2 comentários:

  1. Estou curioso quanto aos misteriosos "valvânios". Por alguma razão, eu os imagino como um misto entre vampiros (talvez devido ao nome) e os orcs do Senhor dos Anéis, servindo como um tipo de "soldado raso" dos vilões.

    ResponderExcluir
  2. Olá, Mateus! Acertou em sua intuição! Como esta história retrata o Mundo das Fadas, há uma atmosfera semelhante ao Senhor dos Anéis. E os Valvânios não deixam de ser vampiros de certa forma, pois esses vilões são vampiros espirituais que almejam esgotar as energias do Sol e da Lua. Abraços, Taty.

    ResponderExcluir