O Cantinho de Tatyana Casarino. Aqui você encontrará Textos diversos e Poesias simples com a medida do coração.









Contador Grátis





sexta-feira, 20 de março de 2015

Ilha das Sereias





“Se as portas da percepção estivessem limpas, tudo apareceria para o homem tal como é: infinito” . William Blake


Vejo as tuas lágrimas de cristal
descendo por tua face branda
naquelas tardes de praia,
amor, mar e uma cabana.

Sutil pescador de olhar apaixonado,
de onde brotam a tua alma e o teu retrato?
Coqueiros, flores e bananeiras
ornamentam a ilha das sereias.

Quando eu estava a nadar,
avistei os teus pés a caminhar
sobre aquela areia fina.

O oceano cobre o meu corpo dual
enquanto flores ornamentam os meus cabelos.
Minha cauda assombra-te até a alma,
minha face sob o luar fascina o teu peito.

Neste oceano, há cinco luas:
a minguante, a crescente, a nova, a cheia
 e a tenebrosa lua sem nome ou lilith.

Não se conquista o paraíso sem cicatrizas,
minha alma protege a tua vida e as tuas chagas,
dê a mim o seu sorriso e a tua graça,
tua alegria é tudo que a sereia quer.

Lapida a pedra buta, pedra bruta lapidada,
"a água mole em pedra dura tanto bate até que fura",
eternidade, eternidade, eternidade,
perfeição quase impossível,
por que há tantos vícios?

O mundo da água, o mundo da lua,
o mundo da paz e o da eternidade,
todos são os mundos que me criaram.

Sou metade mulher e metade peixe,
moro em Malkuth*, mas sou do céu,
trabalho na terra em prol da água,
Deus reina no infinito da eternidade
cristalina e mais do que bonita.


Taty Casarino

*Malkuth: Reino material para a Cabala.

Poesia extraída do livro "Antes da Eternidade" ainda não publicado de Taty Casarino.

Confira o prólogo:

Prólogo


Das gaivotas, eu posso ouvir o esplendor de suas asas compondo a trilha sonora da natureza. A tarde é calma e o sol é eterno. Caminho sobre a areia macia de uma praia infinita e minha visão não consegue mensurar a extensão do caminho que percorro. Sinto meus pés sendo acariciados pela areia cuja textura é aveludada e ando sem cansaço numa tarde sem fim por um caminho sem fim.

Ao meu lado direito, há o oceano. A água do mar toca os meus pés e eu suspiro enquanto fecho os olhos para sentir a brisa que me abastece com o perfume do mar. Nuvens invadem o céu, e um vento forte assusta as gaivotas, as quais voam mais rápido em direção ao norte.

Minha vista perde-se no infinito do horizonte das águas do mar do paraíso ao apreciar o céu que apresenta de modo espetacular tons de violeta e laranja. Ajoelho-me diante de uma pedra bruta e distorcida perdida naquela praia perfeita e imaculada enquanto uma forte onda do mar debate-se contra ela violentamente.

Acaricio a textura da pedra ao sentir lágrimas escorrerem pela minha face. Posso sentir que meus cabelos voam ao vento, e as alças do meu vestido caem. Com a cabeça caída sobre o braço esquerdo, o qual envolve a pedra áspera, sinto o beijo da água do mar nos dedos das minhas mãos e uma energia violenta como a de um trovão irradiar-se pelo meu corpo. De algum modo, eu pertenço àquela pedra como aquela pedra pertence a mim.
Taty Casarino



2 comentários:

  1. http://www.letrasdemusicas.fm/teixeirinha/tramandai#la-conheci-uma-sereia-aqui-da-terra

    https://www.youtube.com/watch?v=Kaks_f-5LSY

    Esse prólogo me lembrou dessa música do Teixeirinha

    ResponderExcluir
  2. Não conhecia essa música. Adorei! Obrigada por compartilhar aqui no blog! Ah! E, por falar em sereias, Olavo Bilac também escreveu um poema sobre esse ser mitológico:

    "Vive dentro de mim, como num rio,
    Uma linda mulher, esquiva e rara,
    Num borbulhar de argênteos flocos, Iara
    De cabeleira de ouro e corpo frio."

    Abraços!

    ResponderExcluir