O Cantinho de Tatyana Casarino. Aqui você encontrará Textos diversos e Poesias simples com a medida do coração.









Contador Grátis





sábado, 29 de novembro de 2014

Les femmes sans espoir



Antes do leito noturno,
doces mulheres belas
apresentam apatia
onde a emoção é vendida.

O prazer corrompido de todo dia,
a sutil corrosão dos amores áridos
sem doçuras ao luar nem versos,
mulheres perdidas, oprimidas.

Por trás do batom vermelho,
lábios cerrados de tristeza,
melancolia atroz do entardecer.

É a noite que chega,
é a lua que anuncia
o trabalho sem dignidade
daquelas vidas sem esperança.

Nas margens da sociedade,
brilham os bordéis de Paris,
atraentes focos de homens bêbados,
que também nunca tiveram esperança.

Qu'est savez-vous sur l'espoir?
Je ne sais pas sur l'espoir,
je suis une fleur sale.*

As flores sujas esperam a hora da lua,
a luz que desce do céu para anunciar
que, até mesmo na escuridão,
residem estrelas prateadas.

Estrelas que se movem,
estrelas que iluminam
até as horas mais impróprias
onde a melancolia oprime o prazer.

Prazeres vendidos, sofás convidativos,
vidas sem esperanças que se encontram
num mesmo quarto sujo e escuro
onde só resta a apatia
sob a máscara da luxúria.

Taty Casarino

Tradução do título:
Mulheres sem esperança

*Tradução dos versos em francês:

O que você sabe sobre a esperança?
Eu não sei nada sobre a esperança,
eu sou uma flor suja.

Este poema foi inspirado na obra do pintor francês impressionista Henri de Toulose-Lautrec exposta nesta postagem chamada "Salão na Rue des Moulins".

 Frequentador assíduo do Moulin Rouge e outros cabarés, o pequeno nobre Lautrec acaba se acomodando muito bem naquele ambiente tão estranho que seus pais nunca aceitaram em ter o filho. O tema principal das pinturas de Toulouse-Lautrec era a vida boêmia parisiense.

  Nesta obra, ele retrata a apatia de algumas prostitutas enquanto esperam o horário de chegada dos clientes. O sofá vermelho reserva um espaço que passa a ser convidativo ao admirador da pintura, mas deixa a pergunta: seria aquele espaço destinado a Toulose-Lautrec?

  Toulouse-Lautrec sofria de uma doença desconhecida em sua época, possivelmente uma deficiência hipofisária. Na juventude sofreu dois acidentes, fraturando o fêmur esquerdo aos doze anos e o direito aos quatorze. Os ossos mal formados pararam de crescer e fizeram com que Henri não ultrapassasse a altura de 1,52 m, tornando-se um homem com corpo de adulto, mas com pernas curtas de menino.
    Esta doença o deixava sem esperança, e a desvalorização injusta em relação a sua arte propiciava o vício no álcool e na luxúria.



Nenhum comentário:

Postar um comentário