O Cantinho de Tatyana Casarino. Aqui você encontrará Textos diversos e Poesias simples com a medida do coração.









Contador Grátis





domingo, 7 de outubro de 2012

O Trovadorismo


O Trovadorismo

 

                A origem deste movimento está nas cantigas dos menestréis errantes medievais, que cantavam feitos heróicos, mas também cantavam assuntos mundanos, como a vida dos camponeses ou a solidão das damas da nobreza, enquanto os seus maridos e filhos não voltavam da guerra. Este movimento literário foi o primeiro de toda a literatura portuguesa, e influenciou a literatura brasileira na fase do Romantismo, com seus temas heróicos e amorosos.

Para se entender o trovadorismo deve ser levado em conta que a elite militar européia ocidental começou a tratar de assuntos artísticos e filosóficos. Contribuiu para o fato as vitórias após séculos de lutas contra vikings, muçulmanos e eslavos. Sem tantas batalhas, os cavaleiros gastavam suas energias em torneios, onde além das habilidades com a lança e a espada, os participantes “afiavam” suas artes com as palavras, na forma de versos e músicas, e também faziam a “parte social”, conhecendo pessoas novas e cimentando alianças por meio de casamentos e pactos de lealdade e vassalagem.

Ao contrário da literatura essencialmente épica, em voga na época, o Trovadorismo tinha como tema principal as relações humanas, em especial homem e mulher, a despeito de ser influenciado pelas cenas de batalha e duelos da poesia épica, em especial os clássicos da antiguidade, como a Eneida, a Ilíada e a Odisséia. Boa parte dos autores, insatisfeita com a brutalidade a qual os cavaleiros viviam e lutavam, buscava o passado distante, em especial as Lendas Arturianas, Tristão e Isolda, e as histórias sobre Carlos Magno, o “Pai da Europa”. Em alguns casos, traziam à tona até mesmo as histórias da Mitologia Greco-Romana, em especial a Ilíada e a Odisséia.

 

As relações amorosas merecem uma análise à parte: O guerreiro se oferece em “vassalagem” à dama, refletindo o sistema feudal, que começava a declinar na época, a despeito de ser ainda considerado como o único modo de governo “aceitável”. Em geral, essa relação era tratada de forma casta e virginal, e a donzela era praticamente inatingível ao apaixonado (frequentemente a relação tinha caráter de adultério). Daí se explica a metáfora da torre onde a moça repousa, praticamente um lugar onde o amado não pode alcançá-la facilmente.

O Trovadorismo, a despeito de ser associado quase que exclusivamente aos romances de cavalaria e de amor cortês, também tratava de “causos” populares, cantigas, sátiras e até mesmo contos de sacanagem e magia. Inevitavelmente, estes últimos eram os que mais contavam com o apreço popular, devido aos jogos de palavras de duplo sentido, e à linguagem mais simplificada para o público.

 

Com o declínio da nobreza e a ascensão burguesa, a forma clássica da literatura do Trovadorismo perdeu espaço para o barroco, que celebrava o amor sensual e físico. A Renascença Italiana também trouxe tecnologias que tornaram os cavaleiros obsoletos, bem como as relações sociais até então vigentes.

 

                Haveria, no entanto, um tiro de despedida: Com a ascensão dos movimentos românticos dos séculos XVIII e XIX, os contos de cavalheirismo deram origem à ficção histórica, cujo maior expoente foi Sir Walter Scott, com o seu “Ivanhoé”, um romance longo que trata as aventuras de um cavaleiro destemido e leal ao seu rei e sua dama, tal qual faziam os romances da época medieval.

Mesmo nos dias atuais sentimos a influência do Trovadorismo em nosso meio: O compositor e humorista Marcos Castro criou um vídeo tratando das aventuras de um personagem de videogame em busca de uma princesa perdida, enquanto toca um bandolim, instrumento típico dos bardos da época.
 
 
 
Texto concedido por: Mateus Ernani Heinzmann Bulow

Nenhum comentário:

Postar um comentário