O Cantinho de Tatyana Casarino. Aqui você encontrará Textos diversos e Poesias simples com a medida do coração.









Contador Grátis





sábado, 15 de setembro de 2012

Doce insanidade



Doce insanidade

Essa curiosidade mórbida
levou-me a uma biblioteca amaldiçoada,
e, se a curiosidade mata,
do fim, eu estive perto.

Deparei-me com monstros e serafins,
lutei contra minotauros vis,
descobri potenciais ocultos:
um iluminado, outro obscuro.

Fiquei insegura diante das trevas,
será que o meu lugar é na luz?
Será que eu mereço a luz?

Havia monstros sabotando os caminhos,
e atormentando minha mente,
a rainha deles era a insegurança.

Cadê minha confiança outrora destemida?
Perdida naquela vila sombria
cheia de carrascos insanos.

Os meus próprios monstros
queriam me açoitar,
então fugi, corri, fugi
com dor no coração,
ansiedade e desespero.

Um tormento descomunal,uma dor atroz,
pequenas coisas eram grandes gatilhos
de angústia e melancolia.

Alguns monstros alimentavam-se de dor,
medo, angústia e culpa.
Queriam que eu fizesse loucuras
só para alimentá-los.
Iludiam-me, prometiam-me o topo,
mas levavam-me ao fundo do poço.

Faziam-me pensar em atos insanos
e nas vilas das trevas.
Eu quis entender por que a sombra existe
e fiquei demasiadamente triste.

Para entender a sombra,
experimentei uma dose de empatia.
Oh! Quanta agonia,
oh! quanta agonia!

A dor da insegurança
é a saudade da confiança
e o desejo de ser puro.

O outro lado da luz
é a sombra.
A sombra só existe,
porque a luz existe.

Todos querem o poder,
mas só Deus pode personificá-lo.
Todos querem luz,
mesmo sem saber.

A noite tem inveja
da capacidade do sol de iluminá-la.
A noite quer matar o sol,
para ter poder eterno.

Mas, a noite tem de ser humilde,
ela tem de saber que seu lugar
está entre o crepúsculo e a aurora.

Cada um tem de amar sua função,
e ser feliz sem grande poder.
O poder não está em grandes atos
de insanidade ou heroísmo.

O poder está na semente do lírio
que faz brotar a flor,
e nas pequenas delicadezas da luz.
O poder em excesso gera impotência,
oh! paradoxo de dor.

Só o equilíbrio pode ser seguro,
os opostos extremos são iguais demais.
O paraíso não está na ausência de sombra,
mas em algum lugar são entre ela e a luz.

E a sanidade não é a falta de loucura,
mas reside no gerenciamento desta
com esquadros e compassos.

Fugindo dos meus monstros
pela floresta sombria,
eu encontrei, finalmente,
o meu esquadro e o meu compasso.

E, nenhum monstro será capaz de me açoitar,
pois a segurança é tudo o que conheço
nesse ponto de equilíbio e sanidade,
gerencio minha doce insanidade.

Tatyana Casarino

2 comentários:

  1. Às vezes precisamos ir até a escuridão para dar valor a luz. :)

    ResponderExcluir
  2. É mesmo! A gente passa a dar mais valor à luz após ver as sombras. Beijos!

    ResponderExcluir