O Cantinho de Tatyana Casarino. Aqui você encontrará Textos diversos e Poesias simples com a medida do coração.









Contador Grátis





segunda-feira, 18 de junho de 2012

Bullying não tem graça

Começo essa postagem respondendo a uma simples pergunta:
O que é bullying?
Bullying significa uma série de atitudes, que ocorre de modo repetido, e dirigida a uma pessoa (principlamente no ambiente escolar) com o intuito de persegui-la por meio de violências físicas e/ou psicológicas, bem como rejeitá-la.

Toda violência física implica uma violência psicológica, por óbvio.
Assim, toda vez que alguém sofre uma violência de modo físico também sofre um certo desconforto psicológico intrínseco ao ocorrido humilhante.
Mas, nem toda violência psicológica vem por meio de agressões físicas. A "violência" psicológica pode ocorrer através de comentários maldosos, fofocas, rejeições, humilhações e apontamentos verbais com o intuito de menosprezar e/ou ridicularizar o outro.
Geralmente, os garotos sofrem mais com o bullying que se manifesta por meio de agressões físicas. Entre as garotas, é mais comum o bullying se exteriorizar através de atos aparentemente mais "sutis" e nebulosos como fofocas, isolamentos, rejeições e "armadilhas sociais", os quais caracterizam a chamada "violência psicológica".
O motivo pelo qual o bullying existe não decorre de certas características da vítima ao contrário do que muita gente pensa (e é preciso desde já alertar sobre esse equívoco.)
Então, se você é gordinho,por exemplo, e sofre bullying por isso, a ocorrência da violência física e/ou psicológica não ocorre em função de seu peso especificamente, mas sim devido a características do cometedor de bullying como falta de empatia, ausência de sensibilidade, sadismo, insegurança, fraqueza e falta de personalidade.

O bullying provém de caracetísticas intrínsecas ao cometedor(insegurança, fraqueza e imaturidade emocional), não sendo decorrido simplesmente em função da personalidade física(ser gordinho/magrinho/usar óculos) e emocional(sensibilidade demais/opção suxual/jeito de ser/excentricidade) da vítima.

Acredite se quiser: o cometedor de bullying é mais fraco e muito mais inseguro do que a vítima! E mais: a culpa do bullyng não é do jeito de ser da vítima, mas do jeito do cometedor de bullying!

Então, por ser fraco, medíocre, infeliz e inseguro, ele(o cometedor) tenta chamar a atenção ou demontrar uma força que não existe nele ao procurar enfraquecer os outros e humilhá-los por meio de seus atos maldosos.
Impor uma "força" sobre os colegas e fazer com que os outros sintam medo dele é o método utilizado por ele para se sentir mais forte, tendo em vista que ele é fraco na realidade.

O cometedor de bullying tem traços de sadismo ao sentir prazer nas lágrimas alheias. Mas, esse sadismo tem a ver não só com falta de discernimento, mas com falta de personalidade e até com sua própria infelicidade.

A seguir, as características do cometedor de bullyng que propiciam as violências físicas e psicológicas.

Afinal, como eu já mencionei, a culpa de haver bullying não decorre de características da vítima como ser alto, baixo, gordo, magro, sensível ou excêntrico, mas sim decorre de elementos da personalidade de quem o comete, tais como


*Infelicidade
Quem gosta de propagar lágrimas e infelicidade (como esses desprezíveis e imaturos cometedores de bullyng) é infeliz no fundo de sua alma vazia e apagada.
Quem é realmente feliz e tem força interior quer esbanjar sua alegria, fazer com que os outros sejam felizes como ele também, expressando aos outros simpatia, cordialidade e gentileza. Quem ama a si mesmo também ama a sua luz interior. E, quem ama sua luz interior quer iluminar os outros, e não apagá-los ou ridicularizá-los.  
Lembre-se: quem é felilz propaga sorrisos por onde passa e não lágrimas.

*Inseguraça
Quem é seguro de si e de sua própria personalidade não se sente incomodado com a personalidade alheia. Em psicologia, um incômodo projetado contra o outro é, na verdade, algo mal resolvido dentro de si mesmo.

*Mediocridade
Quem é especial e tem um brilho natural não perde seu tempo tentando apagar o brilho dos outros. Quem é especial sonha alto e obtém satisafação ao realizar projetos grandiosos. É preciso muita mediocridade e uma pitada de sadismo e incoerência para sentir prazer ao importunar os outros. Quanta bestialidade há no bullying!

*Fraqueza e covardia
 Aos olhos de muitos, a vítima é fraca e quem comete bullying é o "valentão". Essa conclusão é o maior equívoco do mundo. Isso é o motivo pelo qual a vítima tende a sofrer baixo autoestima por achar que ela de algum modo propicia a ocorrência de violência psicológica que há contra ela por ser alta, baixa, sensível, excêntrica ou seja lá o que for.
Já mencionei e repito: a vítima não tem culpa em sofrer bullying! Ela não tem culpa de ser quem ela é! Não há nada de errado em ser quem você é! Se você é gordo, magro, baixo, alto demais ou excêntrico, não há problema algum!
  Nada dá o direito de outro lhe importunar ou lhe rejeitar. Tenha orgulho de ser quem você é! Ame-se! Não há nada de errado em você se você é importunado, deve haver algo de errado com a pessoa que o perturba. Essa pessoa deve ser uma mente perturbada e uma alma vazia, fraca e covarde. Nunca veja quem comete bullying como o "valentão" da vez, mas como um pobre covarde que não sabe nada sobre ser feliz, amar e cooperar.
Quanta às características mencionadas acima, fraqueza e covardia, essas ocorrem em face da falta de uma segurança interior e de uma força no cometedor do bullying, o que faz com que ele intimide os outros a fim de se sentir forte.
Como ele não consegue ser admirado, ele resolve ser temido ao praticar a violência para chamar a atenção.
A covardia daquele que intimida os demais provém da falta de força também e da necessidade de "provar" para o meio social e escolar que é forte por meio de atitudes imaturas e incoerentes como prejudicar os outros e incomodá-los.
Além disso, o verdadeiro forte é aquele que ajuda a erguer os fracos e não aquele que humilha esses.  

*Falta de amor, de tolerância e de sensibilidade.
Quem ama a si mesmo e se sente bem com sua própria personalidade não julga as personalidades alheias como inadequadas só para os outros se sentirem mal.
Quem é bem resolvido quanto a sua própria personalide e se ama tem habilidade para amar as personalidades diferentes e não as desrespeita.
Quem tolera a si próprio tolera os outros. Quem é sensível sabe se colocar no lugar dos outros e sentir o sofrimento dos outros. Logo, não faz nada que possa machucá-los no âmbito físico ou psicológico.

*Falta de senso moral
Por mais que você nunca tenha estudado os conceitos de moral em filosofia, todo mundo tem(ou deveria ter) um guia moral dentro de si que alerta a diferença entre condutas certas e erradas. Essa orientação moral é algo que não se aprende na escola, mas que deveria ser ensinado em casa.
Devido a tanta falta de orientação moral, a escola poderia incentivar as virtudes, fazendo palestras ou fornecendo auxílio pedagógico.
Enfim, a falta de senso moral do cometedo de bullying reside na negligência diante do sofrimento alheio.
Alguma regras morais básicas deveriam estar presentes sempre, tais como:
*Não faça aos outros aquilo que você não quer que façam para você.
*Tenha atitudes coerentes
*Seja gentil

Diante disso, conclui-se que o cometedor de bullying tem sérios problemas de personalidade. Logo, deve-se dar assistência psicológica não só à vítima, mas também ao agressor através de uma reeducação moral e comportamental.

O agressor não está condenado a ser como o "vilão" da história para sempre. Afinal, muitas vezes, o que falta para ele é uma orientação familiar e pedagógica. Sendo assim, nem tudo está perdido, e o agressor poder se tornar um bom cidadão. Não há nada nessa vida que não possa ser mudado, exceto a morte(certeza única).

O agressor pode se dar conta do quão inúteis e imaturas são suas atitudes e tentar ser uma pessoa melhor, lapidando sua alma e aperfeiçoando sua personalidade. Ele pode adquirir sonhos e ambições maduras e se tornar uma pessoa melhor. Ele pode aprender a respeitar as demais personalidades quando aprender mais a respeito de sua própria personalidade.

Quando o "agressor" passar a ter sonhos, ele encontrará forças para lutar pelos seus sonhos e canalizará sua energia para mover obstáculos e não mais para importunar os outros.

Desse modo, ele deixará de ser medíocre e e passará a ser um visionário forte e uma pessoa moralmente mais firme e mais bondosa. Não há coração tão duro a ponto de nunca amolecer. Há esperanças de o agressor se sensiblizar e se tornar uma pessoa melhor.

Comecei o texto com uma pergunta, e encerrarei com outra:

Como a escola e a sociedade podem eliminar o bullying?
*Incentivando os esportes e as artes para que os alunos canalizem sua energias de criatividade e expressão.
*Importando-se com os talentos peculiares de cada um, ou seja, não ridicularizar,por exemplo, o aluno que é mal em matemática, pois ele pode ser ótimo em ciências ou português.
*Dando voz aos alunos ao permitir que eles expressem os seus sonhos, talentos e ambições. Sendo assim, os alunos construiriam desde cedo uma personalidade autônoma e visionária.
*Incentivando os respeitos às diferenças. Desse modo, os alunos iriam ser mais seguros com suas próprias personalidade e tolerariam mais as personalidades dos outros.

É muito preocupante o bullying na infância, a qual é o período de formação de estrutura psíquica de nossas crianças. O respeito, a liberdade de expressão e a igualdade são direitos humanos das crianças!
Dois dos principais princípios fundamentais da Declaração de Direitos da criança são: 
"A criança deve ser criada num ambiente de compreensão, de tolerância, de amizade entre os povos, de paz e de fraternidade universal e em plena consciência que seu esforço e aptidão devem ser postos a serviço de seus semelhantes."

 "A criança tem o direito de ser compreendida e protegida, e devem ter oportunidades para seu desenvolvimento físico, mental, moral, espiritual e social, de forma sadia e normal e em condições de liberdade e dignidade. As leis devem levar em conta os melhores interesses da criança."

Como asseguraremos esses direitos se muitas crianças não se sentem seguras nem protegidas dentro de suas próprias escolas. Não basta garantir educação! É preciso garantir um ambiente educacional pacífico e harmonioso sem bullying ou qualquer outra coisa que cause constrangimento às nossas crianças.

Recado polêmico: Há crianças com traços de maldade que necessitam de correção pedagógica e auxílio psicológio. O bullying infantil é pouco divulgado pelo fato de muitos não se importar com o agressor menor de idade. Muitos adultos são negligentes com o bullyng infantil.
 Muitas vezes, a criança vítima ouve: "Fulano só quis brincar com você" ou "Ele não fez por maldade, porque é apenas uma criança".
Há brincadeiras e brincadeiras. Contranger não tem nada a ver com brincar. Além do mais, o fato de ser criança não exime a responsabilidade e a culpa por atos maldosos direcionados aos colegas. Os pais e os pedagosos devem ser bem atentos em relação a isso.

Recado de esperança: Quem sofre bullying por ser diferente geralmente tem muito mais sucesso na vida adulta que o agressor. Acredite: a excentricidade pode causar uma certa inadequação social, mas, no futuro, essa caracetítica fará com que a pessoa diferente tenha destaque. O mercado de trabalho gosta de pessoas com carateríticas diferentes e com algo especial na personalidade, porque geralmente as pessoas especiais são mais produtivas e criativas.
Logo, não tente se adequar a um padrão qualquer só para fazer parte de uma tribo qualquer! Não tenha medo de ser diferente!
Seja você mesmo e brilhe por si próprio.

Não importa o quão nebuloso seja o tempo, um dia o sol brilha e o sucesso vem. Temos de confiar em nós mesmos.

Texto escrito por: Tatyana Casarino, estudante de Direito, escritora e poetisa.