O Cantinho de Tatyana Casarino. Aqui você encontrará Textos diversos e Poesias simples com a medida do coração.









Contador Grátis





domingo, 22 de outubro de 2017

O perfume do Vampiro



Na neblina do cemitério, ele vaga
à procura de sensações de prazer.
E, quando aparece aquela maga,
o vampiro a persegue para morder. 

Todas as demais mulheres atacadas
morrem ou viram vampiras pálidas.
Mas, aquela mulher é bem diferente,
pois ela sempre tem o sangue quente.

O relógio soa as badaladas noturnas
enquanto no céu brilha pálida a lua.
Pelo castelo, o vampiro corre ferozmente
até ver a donzela de sangue mais quente.

Ele se esconde dentro do espelho dela
depois de apagar todas as suas velas.
E, quando ela veste a camisola branca,
ele sussurra poesias de forma mansa.

Ela sorri ao escutar uma voz encantadora
enquanto escovava os longos cabelos. 
Ela se fascina com a sua beleza toda
e acaba beijando o próprio espelho.

O vampiro solta uma larga gargalhada
enquanto grita de forma louca e sarcástica:
"Vaidade das vaidades, você é pecadora,
entregar-se-á a mim nesta noite promissora."

Ao invés de ver os próprios lábios refletidos,
ela percebe que beijava os lábios do vampiro.
Ele puxa a dama para dentro do espelho,
e ela se depara com o seu quarto invertido.

"Toda mulher é corrompida por elogios,
pois eles despertam a narcisística libido."
Sussurrava o vampiro em seus ouvidos
enquanto mordia a dama entre gemidos.

Ele acaricia o ventre dela antes dos seios
enquanto sussurra todos os seus desejos.
"Hoje eu quero a dama mais poderosa."
Dizia o vampiro ao rasgar a sua camisola.

"Você não me ama, mas ama a si mesma,
você não me deseja, mas deseja a si mesma.
Sinta o meu desejo por você e me devolva
em forma de carícias e fantasias tolas."

"Eu amo você, meu querido vampiro,
eu admiro você, meu amante noturno.
Mas confesso que expresso a narcisística libido,
pois voltado para dentro é o fogo feminino."

"Desde que o mundo é mundo, é assim:
a mulher ganha pela sensualidade e beleza
enquanto o homem ganha por sua inteligência.
Sem audácia, não há começo nem fim."

"Você me revelou o que há de melhor em mim,
merecendo todas as sensações doces e infinitas. 
Saber que sou bela para você é o que me faz arder,
saber que produzo o seu prazer é o que me dá prazer."

O vampiro morde a dama que geme docemente
antes de arranhar a nuca de marfim gélido dele. 
Cada gota de sangue que cai no lençol branco da cama
acaba virando uma pétala de rosa vermelha profana.

Ela adormece com a cabeça sobre o peito áspero dele,
fazendo cócegas nele com a sua face rosada e macia.
Mas, quando ela acorda, não há mais rosas nem vampiro,
e o seu quarto volta à posição que há fora do invertido. 

Um perfume marcante é tudo o que restou daquela noite
que lembra o aroma de jasmins misturadas com rosas.
O perfume do vampiro remete ao prazer e ao açoite
que a mordida dele causou em sua sensual história.

Poesia escrita por Tatyana Casarino



  Esta poesia trata de prazer feminino sem tabus e desmistifica a velha lenda de que a mulher é "interesseira". É comum vermos mulheres bonitas com homens que não são tão bonitos, o que incita um equivocado pensamento nas pessoas: "deve ser por causa do dinheiro dele". Entretanto, nós mulheres buscamos sim romances verdadeiros e nos importamos com as personalidades de nossos parceiros. 
   Ocorre que, muitas vezes, o homem ganha a mulher pela inteligência e astúcia, seduzindo a sua parceira quando ela se apaixona por ela mesma através do sentimento dele. Sentir-se valorizada eleva a autoestima feminina e faz a mulher cair nos braços de homens que não são bonitos. Em geral, o homem se encanta pela visão (por isso, a beleza da mulher chama a sua atenção) enquanto a mulher se encanta pela audição (a mulher é sensível a tudo o que o homem fala para ela). 

                    

   
      Por essa razão, muitas vezes, a mulher é seduzida por elogios. Pelo que eu percebo entre as mulheres, a inteligência e a força são virtudes valorizadas na hora de arranjar um pretendente. Nessa hora, nota-se uma feliz (ou infeliz) coincidência: os homens mais cultos e espertos estão na alta sociedade. É claro que há mulheres fúteis e interesseiras que se apaixonam pela carteira e pela conta no banco ao invés de se apaixonarem pelos namorados. 
     Não obstante, em geral, as mulheres são apaixonadas de verdade por seus parceiros (dificilmente uma mulher aceitaria conviver com alguém por quem não nutre sentimentos, já que a alma feminina é sensível por natureza e busca carinho) além de serem apaixonadas por si próprias (hehehe). 
     Apaixonar-se por si mesma é requisito fundamental para uma autoestima saudável, para amar o parceiro e para sentir prazer. Talvez o problema das mulheres que não atingem o prazer seja simplesmente falta de autoestima (uma questão delicada para muitas). 
    A mulher precisa estar de bem com a vida, de bem com o próprio corpo e se amar primeiro antes de se entregar para alguém. O prazer feminino é mais complexo, interno e psicológico. Já o prazer do homem é voltado para fora e facilmente instigado por vislumbres sensoriais e visuais. Digamos que o prazer da mulher é um labirinto que requer inúmeros estímulos enquanto o do homem é um alvo que requer um único tiro. Conciliar labirinto e alvo é tarefa de equilibrista hehehe. Por esse motivo, a mulher é mais "difícil" de ser conquistada enquanto basta uma olhada para o homem se encantar. 
      Por fim, repito: não somos interesseiras. Nossa beleza vale pela falta de beleza de nossos parceiros (hehehe). Não estamos atrás de dinheiro, mas atrás de autoestima (o que não tem preço). O homem sedutor é aquele que eleva a autoestima da parceira. Não nos interessamos pelo carro do namorado (mulheres não entendem quase nada acerca de carros e máquinas). É claro que, se aparecer um vampiro charmoso e rico dirigindo um Volvo como o Edward de Crepúsculo, ele vai chamar a atenção da mulher (hehehe). Mas, não é o dinheiro que buscamos, é o prazer narcisista. Por essa razão, é o homem que conduz a paquera (ou pelo menos era antes do feminismo radical estragar o cortejo).  

                 

       
          Muitas mulheres têm vergonha de admitir a sua vaidade e o seu lado narcisista, preferindo até serem chamadas de interesseiras do que explicarem a razão pela qual foram conquistadas. Mas, neste blogue, não há tabus. Eu escrevo análises psicológicos profundas, pois o funcionamento da psique feminina (e de todos os seres humanos em geral) me fascina.
        Sempre defenderei as mulheres em todos os lugares, pois esse é o meu dever! Que as mulheres sejam abençoadas e saibam se amar sem medo e sem vergonha. Um pouco de vaidade não é pecado e faz muito bem!

Tatyana Casarino

TAGs (marcadores do lado direito do blogue):

*Poesias de Vampiros;
*Poesias Góticas;
*Poesias Sensuais;
*Taty Casarino.

Se você gostou da poesia, clique nessas TAGs para ler poesias parecidas. Caso você esteja lendo o blogue no celular e não veja as TAGs do lado direito da tela, clique em "visualizar versão para a web" (tal frase fica acima da minha foto no local "quem é a escritora?").

Abraço,

Taty. 

sexta-feira, 20 de outubro de 2017

Conto de Humor - Catarina na balada


Conto de Humor de Catarina

Catarina na balada



Todo mundo sabe que Catarina não gosta de baladas, mas poucas pessoas sabem o motivo. Sua primeira experiência em uma balada foi péssima, fazendo com que a garota ficasse traumatizada com festas lotadas.
Catarina tinha dezoito anos quando saiu com as suas amigas, Sandra, Estela e Joana, para a sua primeira balada. Joana ofereceu-lhe um copo de cerveja e Catarina achou o gosto péssimo. “Que bebida mais azeda.” ─Pensou Catarina. “Como as pessoas podem gostar disso?”─Ela indagava a si mesma. Concluiu que as pessoas tomavam bebidas alcóolicas mais pelos efeitos que elas provocavam ─ entusiasmo, alegria e descontração ─ do que pelo sabor da bebida em si.
Ela nunca achou bebida alcóolica saborosa, motivo pelo qual se surpreendia com o brilho nos olhos que as outras pessoas tinham diante dessas bebidas. Experimentou bebidas alcóolicas destiladas e achou o gosto mais “apresentável” do que a cerveja.
Entretanto, mesmo aquelas bebidas destiladas misturadas com chocolate ou preparadas com morango não atraíam a sua atenção. O máximo que ela conseguia beber era alguns goles ─ nada além disso. Porém, reconhecia que uma dose de whisky e uma taça de champanhe tinham o seu valor. Guardava esta preferência para si mesma, já que isso poderia reforçar a sua fama de “metida”. Teria Catarina paladar de gente rica? Ela não tinha culpa se seu paladar ficava mais afinado com as bebidas mais caras.
Certa vez, uma colega do tempo de colégio, a Ana, convidou Catarina para uma balada que ocorreria nos jardins de sua mansão. Catarina, que já contava com a idade de dezoito anos, chamou as suas amigas da faculdade, Estela, Joana e Sandra para acompanhá-la na festa. Nesta festa, haveria muitas pessoas que estudaram na mesma escola que Catarina quando ela era criança.
Catarina se sentiu desconfortável com os gritos das pessoas bêbadas, a música alta e os beijos escandalosos entre pessoas que não se amavam ─ e talvez nunca mais se vissem na vida. Quando um rapaz de braços musculosos exibidos em uma blusa regata começou a erguer a garrafa de cerveja e gritar, Catarina desejou estar em outro mundo ou em qualquer lugar longe dali. Guardava seus pensamentos de rejeição à balada e desconforto para si, já que sabia que as pessoas a considerariam “careta”, “esquisita” ou “diferentona” no mínimo. Além do mais, estava farta de ser considerada “metida” e “fresca”.
Enquanto as suas amigas conversavam em um sofá à beira da piscina da mansão de Ana, Catarina pediu licença e se levantou do sofá a fim de procurar um lugar mais calmo e silencioso. Ela era uma pessoa introspectiva e necessitava de alguns momentos de solidão, onde pudesse ficar em paz consigo mesma e com os seus próprios pensamentos.
Com uma lata de Sprite nas mãos e dois canudinhos azuis, Catarina caminhou silenciosamente no jardim de Ana até achar a garagem da mansão. Havia um pequeno banco na garagem, onde Catarina sentou-se exausta, respirando fundo diante da tensão e do desconforto que sentia em festas daquele tipo.



 Sentada no pequeno banco, ela abriu a latinha de refrigerante e enfiou os canudinhos dentro da lata. Quando estava prestes a saborear a sua Sprite, ela começou a ouvir gritos.
─Para, Paulo! Chega! Chega!─Exclamava uma voz masculina em desespero.
Catarina levantou-se do pequeno banco assustada e olhou para os lados, tentando localizar o autor da voz. Então, viu um rapaz magro apanhando de um rapaz musculoso de blusa regata e boné virado para o lado. O agressor usava uma calça jeans larga e era possível ver a marca de sua cueca. Além do mais, usava um chinelo de dedo branco. Catarina nunca viu alguém tão feio e tão mal vestido como aquele agressor ─ muito embora ele fosse considerado “sarado” para os olhos de outras garotas.
O rapaz magro usava uma calça social preta e uma camisa cor de salmão. Ele estava bem vestido e era um rapaz muito bonito. Catarina ficou tremendamente assustada quando o agressor jogou o rapaz contra o portão da garagem. Os óculos do rapaz magro caíram no chão e Catarina correu para pegar o objeto caído.
─Para, Paulo! Chega! Chega!


Aquela cena violenta fez com o sangue de Catarina fervesse dentro de suas veias, já que detestava injustiça. Uma força interior brotou e ela não pensou duas vezes antes de defender o rapaz. Era insegura para defender a si mesma, mas sempre sentia a sua força interior sendo multiplicada para defender alguém diante de uma injustiça ─ talvez, por esta razão, tenha escolhido ser advogada.
─Não acha que já bateu no rapaz o suficiente, seu valentão?─Indagou Catarina enquanto quase espumava de raiva do agressor.
─Acho que não devo dar ouvidos a uma garota. Saia já daqui, sua intrometida! Se não sair daqui agora, sobrará socos e porradas para você também!
─Se tocar um dedo em mim, terá de ir para a delegacia amanhã mesmo. E, se continuar batendo nesse rapaz, eu direi a todas as pessoas do mundo jurídico a respeito de seu crime de lesão corporal. Pensa que ficará impune por ser filhinho de papai? Experimenta mexer comigo! Você se acha poderoso, mas eu conheço gente muito mais poderosa.
─Você não pode estar falando sério. ─Disse Paulo após largar o rapaz que ele agredia. Catarina conseguiu o que ela queria: o valentão finalmente havia parado de bater no rapaz. ─Você só pode ser louca de me enfrentar. ─Afirmou Paulo enquanto caminhava de maneira assustadora em direção à Catarina, balançando os seus braços musculosos de um lado para o outro e fazendo cara de mau.
Enquanto isso, Catarina abriu discretamente o zíper da pequena bolsa preta transversal que transportava consigo. Ela tentava localizar o spray de pimenta que carregava ao lado do celular. Caso Paulo chegasse perto dela, ela saberia o que fazer. Todavia, surgiu em sua mente uma ideia melhor quando viu que a garagem de luxo contava com um alarme de incêndio.
─Sim, eu sou louca. ─Afirmou Catarina enquanto corria em direção ao outro lado da garagem. Quando chegou perto do alarme de incêndio manual, ela pressionou o botão de alarme.   
Um som de alarme tremendamente agudo e irritante começou a tocar. O agressor gritou de raiva, jogando o próprio boné no chão e pisando em cima dele. Ele caminhou em direção à Catarina com olhos maldosos enquanto a garota se aproximava do extintor de incêndio.
─Socorro!─Exclamou Catarina enquanto as pessoas da festa corriam em direção à garagem. O agressor fugiu, deixando apenas o seu boné na garagem. Aquela era a prova que Catarina precisava para acusar o agressor de seu crime de lesão corporal. Quando as pessoas chegaram à garagem, Catarina estava ajoelhada no chão ao lado do rapaz agredido.
─Você está bem?─Indagou Catarina educadamente enquanto fazia carinho no rosto do rapaz que estava deitado no chão.
─O que houve? Eu morri? Eu estou no céu? Você é um anjo?
─Ah! Sempre as mesmas perguntas...
─Eu estou no céu?
─Não, você está na terra felizmente.
─Oh! Infelizmente...
─Eu não sou um anjo. Sou humana e me chamo Catarina. Muito prazer em conhecê-lo.
─Catarina, meu nome é Bernardo. O prazer é todo meu. ─Respondeu Bernardo diante do sorriso doce de Catarina. ─Posso perguntar uma coisa para você?
─Sim.
─Você já está acostumada a lidar com pessoas que apanharam?
─Sim, eu sempre defendi os garotos do bullying.
─Você também já sofreu bullying?
─Eu nunca sofri o bullying físico. Eu nunca fui agredida fisicamente graças a Deus. Mas, eu já sofri o bullying psicológico. O bullying que ocorre entre as garotas é diferente. As garotas fazem fofoca de outras garotas e gostam de isolar as garotas que elas não gostam.
─Mas, não há nada de errado com você. Você é bonita.
─Justamente por isso. Garotas invejam garotas bonitas.
─Interessante. No meio dos garotos, é diferente. Eu sofro bullying por ser feio, desajeitado, magricelo, usar óculos e ser gay. Não sou forte o suficiente como eles acham que eu deveria ser nem viril.
─E daí? Qual é o problema? Quem disse que você deve atender as expectativas alheias? Nenhuma dessas suas características pode justificar o bullying. A culpa do bullying é sempre do mau caráter do agressor e não das características da vítima. Também não há nada de errado com você. A propósito, você é muito bonito.
─Você me achou bonito?─Indagou o rapaz antes de sorrir.
─Sim. Por quê?
─Porque dizem que eu sou feio.
─Mas eu sinceramente achei você muito bonito. Não estou falando isso para lhe agradar. Eu definitivamente não sei mentir. Talvez eu tenha um olhar diferente das outras pessoas. Os meus olhos acham quase todo mundo bonito.
─Deve ser por isso que você é bonita.
─Pode ser. ─Respondeu Catarina enquanto acariciava fraternalmente a cabeça do rapaz, os cabelos e os braços.
─Você está me trazendo paz. As minhas dores no corpo estão sumindo diante de seu carinho.
─É o que sempre me dizem. ─Disse Catarina antes de perceber que quase todos os convidados da festa estavam na garagem naquele momento. Ela colocou a mão direita sobre a boca, tossiu e se levantou. Depois, ajudou Bernardo a se levantar.
─O que houve aqui, Catarina?─Indagou Ana. As pessoas não haviam escutado a conversa entre Catarina e Bernardo, pois o som da festa estava alto e os dois falavam em tom de voz baixo.
─Por favor, não diga que eu estava apanhando. ─Sussurrou Bernardo no ouvido esquerdo de Catarina com voz suplicante.
Catarina estava prestes a contar tudo a respeito de Paulo. Seu senso de justiça e sua indignação estavam saindo pelos poros de sua pele praticamente. O perfil de Catarina era de quem contava sobre o bullying que sofria, mas teve de respeitar o perfil tímido de Bernardo que não tinha coragem para falar a respeito da agressão.
─Ai! Que vergonha!─Exclamou Catarina colocando a mão na testa de maneira teatral. ─Eu e Bernardo estávamos ficando, sabe? Nós nos beijamos tanto que ele caiu no chão. Como ele havia bebido um pouco, fiquei com medo de ele ter desmaiado bêbado.
─Catarina, a gente sabe que o Bernardo não bebe! Além do mais, ele parece estar machucado e arranhado.
─Imagine só, ele bebeu tanta Vodca que chegou a me jogar na parede de tanto te... De tanto desejo por mim. Aí eu esbarrei no botão de alarme da parede.

  


─Por que você gritou por socorro?
─Eu costumo gritar “socorro” na hora “H” mesmo. Bernardo gosta. Mas, infelizmente, a Vodca fez o Bernardo cambalear e ter um apagão.
─Ih! Desmaiou na hora “H” diante da moça. Olha só que viadagem! ─Exclamou um moreno alto chamado Luís. Catarina detestava ouvir a palavra “viadagem”. A cada vez que ela ouvia esta palavra, seu sangue fervia e ela tinha vontade de bater na pessoa que falava isso. Todavia, respirava fundo e pensava no mantra “Om”. Catarina caminhou em direção a Luís enquanto rebolava de maneira sensual propositadamente.
─Veado é a última coisa que Bernardo é. Ele me dá tanto prazer que você nem imagina. Então, cala a sua boca antes de falar do meu homem. ─Disse Catarina bravamente enquanto tocava o seu dedo indicador no ombro de Luís com raiva. 
─Tá bravinha, é?
─Estou. Mas não vou perder o meu tempo ficando com raiva de você. Tenho o Bernardo para me relaxar. ─Disse Catarina de maneira irônica enquanto mexia nos cabelos, enrugava o nariz empinado e mordia o lábio inferior.
─Oh!─As pessoas exclamavam enquanto os rapazes assobiavam quando Catarina caminhou entre elas rebolando em direção a Bernardo.
─Vamos voltar para a pista de dança, Bê. ─Disse Catarina com voz melosa antes de agarrar o rapaz na frente de todos.
─Catarina, você é louca. Agora eles vão pensar que a gente estava... Enfim, que a gente estava “se pegando” na garagem... Nossa reputação agora vai para o ralo. ─Sussurrou Bernardo no ouvido de Catarina ao fingir que estava beijando o pescoço dela.
─Era isso ou eu contava que você foi agredido pelo Paulo. O que você prefere?─Indagou Catarina em tom de voz baixo antes de abrir um pequeno sorriso e soltar uns gemidos um pouco altos. ─Vamos sair da garagem, Bê.─Disse Catarina em tom de voz alto.
─Ele está arranhado!─Exclamou Estela.
─Ele adora ser arranhado por mim!─Exclamou Catarina antes de exibir as unhas e passar as garras nas costas de Bernardo. Bernardo parecia assustado quando Catarina soltou uma gargalhada teatral.
─Você poderia ter escolhido Teatro ao invés de Direito. ─Sussurrou Bernardo no ouvido de Catarina.
─E quem disse que Teatro não tem a ver com Direito? Teatro tem tudo a ver com Direito. Todo advogado é um ator. ─Sussurrou Catarina no ouvido de Bernardo.
Na pista de dança do jardim da casa de Ana, Catarina começou a rodopiar. Ela rodopiava em volta de Bernardo, o qual ficou tonto de tanto ver Catarina girando. Depois, ela se retirou do salão discretamente para ir ao banheiro. No banheiro, retocou a maquiagem e reforçou o batom. Ela também pegou uma garrafa de Vodca e despejou todo o líquido na pia. Então, colocou Sprite, o refrigerante de limão com aspecto transparente, dentro da mesma garrafa.
Começou a beber a Sprite na garrafa de Vodca no meio do salão enquanto rodopiava. Ergueu a garrafa antes de beijar o colarinho de Bernardo, deixando a roupa dele toda marcada de batom pink.
─Catarina, você está bebendo? Você não é disso.
─Fique tranquilo, querido. É Sprite. ─Respondeu Catarina antes de piscar para ele com um sorriso sapeca estampado nos lábios. ─Estou cansada de todo mundo me chamar de careta e ficar me perguntando a todo instante por qual motivo eu não bebo. Também tenho um plano para você se vingar de Paulo, Luís e de todos os garotos que zombam de você.
─Qual é o plano? Você vai me ensinar alguma arte marcial? Como posso revidar o soco deles de modo mais forte? Como posso bater neles sem apanhar?
─Shh! Fique quieto!─Exclamou Catarina enquanto colocava o dedo indicador nos próprios lábios. ─Não tem nada a ver com agressão. Você vai atingir o psicológico deles, ou seja, algo muito mais profundo. Você vai mostrar a eles que é um homem superior. Se eles atacam a sua masculinidade, mostre a sua masculinidade hoje.
─Como? Eu jamais conseguiria ficar com qualquer garota daqui. Além do mais, eu sou gay na realidade. Esqueceu?
─Não me esqueci. Mas, ninguém precisa saber que você é gay.
─Eles ficam dizendo a todo instante quantas mulheres gostosas que eles pegam. Chamam qualquer ato de sensibilidade de “viadagem”. Para eles, somente expressões de agressão e sexo são masculinas.
─Que horror!
─Então, qual é o plano?
─Você vai fingir que é o meu namorado na frente deles. Vamos irritar os rapazes com nossos beijos escandalosos e “amassos” fingidos.
─Catarina!
─Vamos nos vingar deles? Você não quer? Eu cansei de ser chamada de careta e você se cansou de apanhar deles. Eles me paqueram, mas eu não dou bola para eles. Jamais ficaria com um cara que comete bullying com os outros ou que praticava bullying contra mim na infância.
─Eles dizem que você ficou muito bonita depois de adulta, mas que é muito rancorosa. Não se esquece de situações que ocorreram na terceira série do fundamental.
─Não me esqueço de nada mesmo. E jamais vou me esquecer daqueles que me zoavam! ─Exclamou Catarina enquanto balançava o dedo indicador no ar de maneira teatral. ─O que mais eles dizem de mim?
─Que você é bonitona, mas careta e “diferentona”. Que você nunca bebe e deve se achar “santinha” por causa disso. Que é impossível ficar com você.
─Então, hoje eles verão que tudo é possível, exceto Deus pecar como diz minha avó. Ficarei com você na frente deles e beberei vodca na frente deles.
─Vodca?
─Sprite, Bernardo. Mas eles pensarão que é Vodca.
─Eu sou o mais ridicularizado da turma. Sempre fui desde a terceira série.  Tem certeza que quer ficar comigo na frente deles?
─Eu adoraria ficar com o mais ridicularizado da turma na frente daqueles que se acham valentões. ─Afirmou Catarina antes de soltar uma gargalhada que assustou Bernardo. ─Eles não me acham “santinha”? Seria ótimo conhecer o meu lado “diabinha”!─Exclamou Catarina com uma voz amarga e cínica que não tinha nada a ver com o tom de voz doce e calmo que ela costuma ter. Bernardo arregalou os olhos e ficou surpreso com a voz de Catarina e com a gargalhada teatral dela. Ele chegou a ficar com medo dela.
─Por que tanta amargura, Catarina?
─Porque a garotinha excluída dos grupos sociais da escola cresceu e se torna uma mulher bonita. Aí vem os marmanjos paquerarem. Só que esses mesmos marmanjos que me paqueram hoje me zoavam na infância. A propósito, eu não estou amarga e a vingança pode ser muito doce. ─Disse Catarina de forma irônica enquanto colocava a mão sobre o peito. Depois, puxou Bernardo pelos braços em direção à parte mais lotada da pista de dança.



Quando Catarina viu Paulo, Luís e mais dois garotos que se achavam “Valentões” próximos ao DJ da pista de dança, ela começou a dançar com Bernardo perto do DJ. Ela colocou a perna direita dela em volta da cintura de Bernardo antes de soltar uma gargalhada com a cabeça para trás. Era engraçado de ver os dois alunos mais tímidos da terceira série (aqueles que costumavam se esconder dos outros) fazendo de tudo para chamar a atenção.
─Olha só! Quem diria que o Bernardo conseguiu pegar a Catarina. Enquanto isso, o Paulo nunca conseguiu nada dessa garota!─ Exclamou Luís antes de dar um pequeno empurrão no ombro de Paulo e gargalhar sarcasticamente.
Catarina que detestava sarcasmo se aproximou deles. Ela jogou a bolsa no chão antes de colocar as mãos sobre a cintura e empinar o nariz. Bernardo começou a tremer de medo. Ele tinha medo de sua amiga apanhar dos valentões.
─Mulher não se pega! Mulher se conquista! E o Bernardo é bem mais competente que o Paulo na arte da conquista mesmo. Além do mais, eu jamais ficaria com alguém que furtava o meu pacote de bolachas recheadas Trakinas na hora do recreio e me chamava de chorona na terceira série!
─Você era uma chorona naquele tempo mesmo. Chorava quase todo dia na escola. ─Respondeu Paulo antes dos rapazes soltarem risadas sarcásticas.
─Só que a chorona cresceu e ficou virtuosa e gostosa, não é mesmo?─Indagou Catarina antes de erguer a sobrancelha esquerda, mexer o quadril e dar um pequeno tapa na própria coxa direita. ─Enquanto isso, você cresceu e se tornou um homem brega e de pouca moral que usa boné, chinelo de dedos e bate em pessoas inocentes. ─Disse Catarina em tom de voz alterado enquanto girava o dedo indicador no ar de modo teatral.
Catarina saiu de perto do grupo de rapazes, dirigindo-se para o seu amigo Bernardo. Chegando perto de Bernardo, ela começou a beijar o seu colarinho e o seu pescoço enquanto os rapazes olhavam de modo estranho para ela. Ao ver as expressões assustadas de cada um dos rapazes “valentões”, Catarina começou a soltar uma gargalhada.
─Eu era chorona na infância, não é mesmo? Mas hoje eu choro de tanto rir ao olhar para a cara assustada de Paulo! O que foi? Nunca viram uma mulher desejando ardentemente seu namorado?─Indagou Catarina em tom de voz alto, vencendo o volume da música da balada.
─Que namorado mais esquisito você foi arranjar. ─Disse Paulo em tom de voz irônico.
─Esquisita é esta tua cara de pamonha, valentão de meia tigela!─Exclamou Catarina antes de soltar um riso irônico e vingativo. ─A propósito, estas calças e bermudas largas que você usa mostram a sua cueca para todo mundo ver. Esta tua cueca aparecendo é a coisa mais esquisita e ridícula que eu já vi em toda a minha vida. Quem é você para falar que alguém é esquisito? Vai colocar uma calça de homem, rapaz! Depois, a gente conversa!
Instintivamente, Paulo puxou a calça jeans larga para cima. Os próprios “amigos” dele começaram a zombar de sua calça naquele instante. Catarina sempre soube que não havia amizade verdadeira nesses grandes grupos de amigos que se acham valentes. Eles não praticam somente bullying contra os outros, mas entre eles próprios também. Por isso, Catarina nunca se sentiu mal em ser solitária ou em andar ao lado de poucas amigas. Quanto menor for o grupo de amigos mais verdadeiro ele será. Grandes grupos de amigos que se unem para fazer maldades aos outros sempre possuem um triste fim: a descoberta da falsidade e a autodestruiução.
A vingança de Catarina estava concluída: Paulo começou a ser zombado pelos próprios “amigos” devido à calça larga com a cueca aparecendo. Sendo assim, ele sentiria o gosto amargo de ser zombado. Tendo em vista que ele passou a vida zombando dos colegas e agredindo os outros, seria justo fazer com que Paulo sentisse o sabor da vergonha. Sabe-se que Luís e os outros rapazes de grupo de “valentões” começaram a apontar para a calça de Paulo e a rir de modo sarcástico.
─Paulo cuecão! Paulo cuecão! Paulo cuecão!─Os rapazes exclamavam enquanto apontavam para a cueca à mostra de Paulo.
 ─Essa vingança é melhor do que qualquer surra que você poderia dar nele, Bernardo. ─Sussurrou Catarina no ouvido do amigo. ─Aprenda hoje comigo, querido. Não há nada mais vingativo do que agir friamente, mexendo com o psicológico do outro. Manipular situações psicológicas demonstra muito mais audácia do que qualquer soco ou pontapé que você poderia revidar. Se você fosse para cima dele cheio de sangue quente e pronto para dar socos, você ia perder a luta. Deve-se ter sangue frio e agir de maneira inesperada diante do inimigo.
─Por acaso, você leu a Arte da Guerra de Sun Tzu?
─Não, meu querido. Eu não li o que estou afirmando em lugar algum. Eu aprendi com a vida mesmo.
─Aprendeu com a vida?
─Sim, desde que pegaram o meu pacote de bolachas na terceira série. Chorar e ficar brava não adiantavam nada para mim. Conflitos são inevitáveis e você deve ser frio para ganhar o jogo de armadilhas da vida.
─Você está longe de ser uma pessoa fria. Até fez carinho em mim depois de me salvar do Paulo.
─Quem disse que devemos ser frios o tempo todo e abrirmos mãos de sentimentos? Devemos ser frios apenas com aqueles que merecem a nossa frieza, como, por exemplo, Paulo. A frieza cai bem em algumas situações e em outras é dispensável. Fora dessas armadilhas da vida, devemos ser quentes.
─Vale ser morno?─Indagou Paulo com bom humor.
─Está na bíblia que o estado morno é abominável. Devemos ser frios ou quentes. Podemos ser frios em algumas situações e quentes em outras. Não podemos suprimir o nosso calor com medo de nossos sentimentos, senão explodimos em choros e crises de ira. Devemos aprender que somos feitos de água e fogo. O equilíbrio entre frieza e calor chama-se temperança.
─Temperança é um nome bonito.


─É o nome de uma carta do tarô também.
─Tarô? Fala sério?! Você acredita nessas coisas?
─Não somente acredito como também jogo. Quer que eu abra as cartas para você?
─Não, muito obrigada! Eu não acredito nessas coisas.
─Tudo bem. Você não precisa acreditar em nada, exceto na virtude e na temperança. Nunca perca os seus valores, hein?!
─Pode deixar, Catarina. Quero ser um bom homem. A propósito, se eu não fosse gay, certamente você seria minha namorada. Obrigada por tudo hoje.
─Eu que agradeço por tantos momentos divertidos e por ter sido o meu cúmplice de vingança. ─Afirmou Catarina antes de dançar uma música eletrônica com Bernardo.


Conto de Humor escrito por Tatyana Casarino.




Trata-se de um Conto divertido que passa algumas mensagens morais, como a importância de ser virtuoso e não se deixar "envenenar" por pessoas irritantes. Ao invés de responder agressão com agressão, podemos encerrar o ciclo da violência. É importante salientar que violência gera violência num ciclo vicioso e praticamente infinito, o qual somente é rompido pela inteligência. 
Como não consigo deixar de colocar pitadas morais e místicas, citei o Arcano XIV do Tarô: A Temperança, que representa muito bem a mensagem que Catarina passou ao seu amigo Bernardo. Na próxima vez que alguém ferir você, saiba que você pode dar uma resposta bem mais inteligente do que o desespero e a agressão reativa. A sua resposta pode ser inteligente, audaz e desmontar o ego inflado daquele que feriu você injustamente. 

Tatyana Casarino. 

Confira uma música de balada que tem tudo a ver com Catarina:

"Com Deus me deito,
com Deus, me levanto,
comigo eu calo,
comigo eu canto,
eu bato um papo,
eu bato no ponto,
eu tomo um drinque,
eu fico tonto"

Música: Drinkee - Sofi Tukker



 Observação: Se você gostou deste Conto de Humor de Catarina, confira também outros contos de humor com esta personagem:

*Conto "O Homem da Boina":



 *Contos "Segura não mão de Deus e vai..." e "O divórcio de Joana nas cartas do tarô":


Gostou das histórias de Catarina, a mística? Então, comente e compartilhe com seus amigos!

Abraço,

Tatyana Casarino.